Fechar janela | Imprimir página

Poesia Incompleta

Índice:

Quatro Amores de Cidade
Blue Moon
Bolero Lisboeta
Barcelona
São Paulo
Retratos dos Amores de um Adolescente Enquanto Cão
Imbecil Trova Amorosa
A Pretensão
Seus Desejos
Ansiedade Inútil
Rasgo
Rimbaud e Verlaine
Trova Numérica
Amor na Paulista
Sentimental
A Arte de Envelhecer
A Amante Virtual
Benjamin Baptista
Cosme Velho
No Glamour Night
Dia de Chuva
Eutanásia
Things Change
Haicai Malfeito
Segundo Haicai Malfeito
Preto e Branco
Occhi Neri
Por Coerência
Última Parte
Noite de Verão
Mãe
Meu Convite
A Morte do Coleiro
Tarde com Billie
Poesia sem Nome
Meu Amarcord


Por Coerência
(para Gorby)

Por coerência,
mais que inspiração,
tenho que escrever este poeminha.
Afinal, ele é o culpado de tudo.
O Gorbelho,
meu cachorro espacial.

Admito, sem vergonha,
que ele é meu professor,
me ensinou que na vida
nem tudo tem que ter porquê,
que amar é bom demais
e que sentimentos não se explicam.
Tudo isto
muito mais barato que anos de terapia.

Adoça meu jeito amargo e descrente
faz com que eu acredite
que viver
até que é bem razoável.


=>