Fechar janela | Imprimir página

Poesia Incompleta

Índice:

Quatro Amores de Cidade
Blue Moon
Bolero Lisboeta
Barcelona
São Paulo
Retratos dos Amores de um Adolescente Enquanto Cão
Imbecil Trova Amorosa
A Pretensão
Seus Desejos
Ansiedade Inútil
Rasgo
Rimbaud e Verlaine
Trova Numérica
Amor na Paulista
Sentimental
A Arte de Envelhecer
A Amante Virtual
Benjamin Baptista
Cosme Velho
No Glamour Night
Dia de Chuva
Eutanásia
Things Change
Haicai Malfeito
Segundo Haicai Malfeito
Preto e Branco
Occhi Neri
Por Coerência
Última Parte
Noite de Verão
Mãe
Meu Convite
A Morte do Coleiro
Tarde com Billie
Poesia sem Nome
Meu Amarcord


Occhi Neri
(para Fred)

Desenhando buracos no jardim,
uivando na madrugada ou
pedindo carinho carentemente inoportuno.
Eu te amo, Fred.

Meu occhi neri
balança o rabo
mas é orgulhoso.
Demonstra o ciúme de um modo mexicano
e berra nas noites
fazendo os vizinhos urrarem!
(até mesmo aqueles que mais amam os cachorros).
Tenho uma vingança bissexta:
acordo-o de madrugada com meus cutucões sonoros:
Fred, Fred, Fred.
E fecho a janela gargalhando com Carolina.

Tem mais de 50 apelidos,
personalidade humana e
guarda a casa dormindo no portão.
Tem tratamento de filho,
não pode ser chamado de cachorro ou cão.


=>